Como cuidar da saúde mental no trabalho?

Como cuidar da saúde mental no trabalho?

Quem nos acompanha por aqui, sabe que já falamos bastante a respeito das consequências deste novo universo pautado pela ansiedade, fragilidade e não-linearidade na vida do sujeito. No âmbito corporativo, temos um mercado de trabalho cada vez mais competitivo, onde a pressão por metas, resultados e cobranças excessivas muitas vezes fazem parte da rotina do profissional.  Diante disso, acende um alerta: saúde mental.

Por isso, neste Dia Internacional da Saúde Mental, a pergunta é: como cuidar da saúde mental no trabalho? Hoje em dia, é possível que a empresa tenha ferramentas e estratégias para ajudar o colaborador a prevenir estresse, ansiedade e depressão, por exemplo. 

Entenda por que saúde mental não é frescura

O estigma em torno dos transtornos mentais, como o Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG), é uma barreira significativa para o bem-estar dos funcionários. É crucial promover a psicoeducação nas organizações para desmistificar esses transtornos e criar um ambiente de apoio.

A saúde mental é tão importante quanto a saúde física e deve ser tratada com respeito e compreensão. O adoecimento mental no trabalho pode ter diversas causas, incluindo:

  • Fatores pessoais: Perdas, mudanças significativas, estresse crônico
  • Fatores organizacionais: Comunicação falha, metas irreais, liderança opressiva, pressão por resultados imediatos, relações interpessoais tóxicas, assédio moral

Sem atenção adequada, o adoecimento mental no trabalho pode levar a consequências graves, como:

  • Absenteísmo e rotatividade
  • Redução da produtividade
  • Aumento dos custos com saúde
  • Danos à reputação da organização

As organizações devem estar vigilantes e tomar medidas para prevenir e abordar o adoecimento mental no trabalho. Isso inclui:

  • Promover a saúde mental por meio de programas de assistência ao funcionário (PAFs)
  • Treinar gerentes para identificar e apoiar funcionários com problemas de saúde mental
  • Criar um ambiente de trabalho positivo e inclusivo
  • Fornecer acesso a recursos e apoio para funcionários que buscam ajuda

Ao desmistificar o estigma em torno da saúde mental e investir em iniciativas de apoio, as organizações podem criar ambientes de trabalho saudáveis e produtivos que valorizam o bem-estar de seus funcionários.

As pessoas com sofrimento mental podem ficar mais desatentas e isso tende a prejudicá-las, visto que aumenta, inclusive, o risco de acidentes. O adoecimento mental também causa queda da motivação e produtividade e, assim, o sujeito pode se sentir mal a ponto de desenvolver um Burnout. E, assim, vêm outras questões como o absenteísmo e o, turnover

De acordo com um estudo realizado pelo Oracle, em 11 países, 76% dos funcionários relatam que as organizações devem se preocupar mais com a proteção da saúde mental. Já no Brasil, esse índice está acima da média mundial, apresentando 84%.

Ou seja, saúde emocional não é frescura e, por isso, as empresas precisam se preparar para entender e respeitar as questões que se referem à saúde mental da equipe. A partir daí, é se programar para ofertar programas de qualidade de vida e métodos por meio de ferramentas de avaliação psicológica ou psicossocial.

saúde emocional no trabalho

Sinais de adoecimento emocional no trabalho

Como saber se o seu colaborador está em adoecimento mental? Repare se o profissional apresenta cansaço excessivo, se queixa de dor de cabeça frequente, se tem pegado atestados ou faltado com frequência. Observe também se ele anda sonolento, com dificuldade para se concentrar nas tarefas, apresenta apatia ou insegurança e baixo desempenho. 

Outros sintomas do adoecimento mental no trabalho são:

  • Alterações de humor;
  • Irritabilidade;
  • Crises de pânico ou ansiedade;
  • Isolamento social;
  • Choro frequente;
  • Estresse.

Agora, vem a parte mais importante: como cuidar da saúde emocional da equipe? 

Alinhamento de cargo e função

Uma das estratégias é garantir que o colaborador esteja no cargo e na função que faz mais sentido de acordo com as suas aptidões e aspirações, afinal, isso aumenta a sensação de pertencimento e o engajamento com as tarefas.

Apoio

Também é importante investir no apoio e acolhimento a cada profissional, seja por meio de atendimento psicológico ou de programas direcionados à questão. As estratégias devem ser voltadas no sentido de criar uma rede de apoio interna, demonstrando que o indivíduo é verdadeiramente importante.

Treinamento da liderança

As lideranças podem cometer erros frequentes e, assim, contribuir para a piora da saúde mental da equipe, o que afeta a empresa como um todo. Por isso, a organização deve ter em mente a necessidade de realizar treinamento com os gestores para que suas ações sejam exemplos de propagação da importância do bem-estar e qualidade de vida das equipes.

Plano de carreira

Uma das grandes causadoras de adoecimento mental no trabalho é a falta de perspectivas do colaborador quanto à empresa, o que gera muita insegurança. Contudo, quando a instituição estabelece um plano de carreira, os colaboradores conseguem enxergar chances de crescimento profissional e isso os motiva a fazer as tarefas da melhor maneira possível, ajudando até na manutenção da saúde mental.

Também é igualmente relevante que a empresa tenha critérios na hora de realizar uma promoção, como títulos, tempo de casa, desempenho e engajamento. Dessa forma, o colaborador reúne condições de traçar uma trajetória e tomar suas próprias providências para chegar aonde almeja. 

Benefícios

Para além do plano de saúde, que deve incluir coberturas para tratamentos psiquiátricos e psicológicos, as empresas podem investir no bem-estar integral de seus funcionários oferecendo uma gama de benefícios, tais como:

  • Profissional de saúde mental na organização: Um psicólogo interno pode fornecer apoio confidencial, promover a segurança psicológica e contribuir para o desenvolvimento emocional dos funcionários.
  • Ambientes de descanso: Espaços dedicados ao relaxamento e à descompressão podem ajudar a reduzir o estresse e melhorar o bem-estar.
  • Vale-cultura: Este benefício incentiva atividades culturais e de lazer, promovendo o equilíbrio entre vida pessoal e profissional.
  • Day off: Dias adicionais de folga podem proporcionar descanso e recarga.
  • Desconto em farmácia: Acesso a medicamentos e produtos de saúde com preços reduzidos pode aliviar o estresse financeiro.
  • Plano odontológico: Cuidados dentários regulares são essenciais para a saúde geral.
  • Bolsa de estudos em universidades: Oportunidades de educação continuada podem promover o crescimento profissional e pessoal.
  • Subsídios para lazer: Apoio financeiro para atividades de lazer pode melhorar o bem-estar e a satisfação no trabalho.

Uma equipe com saúde emocional equilibrada é mais produtiva, engajada e criativa. Ao investir no bem-estar integral de seus funcionários, as empresas criam um ambiente de trabalho positivo e valorizado, o que resulta em maior satisfação no trabalho, menor rotatividade e melhor desempenho organizacional.

Ou seja, nos dias de hoje a saúde mental no trabalho não pode ser vista como peça secundária na cultura organizacional. Mas, sim, como um elemento-chave para manter o bem-estar geral.

Como a Mapa pode ajudar a promover a saúde mental

Promover um ambiente de trabalho mais saudável é um desafio a ser enfrentado nas novas formas de organização. A boa notícia é que você pode contar com ferramentas que auxiliam na preservação do adoecimento emocional no ambiente laboral.

O teste de personalidade Mapa, por exemplo, é um instrumento que mostra como os sujeitos tendem a se comportar em situações distintas, de acordo com as suas características. A ferramenta avalia um conjunto de construtos organizadores da personalidade, que incluem comportamentos de segurança, produtividade, relacionamento interpessoal e regulação emocional.

Outro instrumento que ajuda na prevenção de riscos psicossociais e na manutenção da saúde mental é o Inventário Psicossocial da Mapa. Ele avalia os fatores que podem ter um impacto significativo na presença ou na ausência de riscos psicossociais. Essa análise envolve a mensuração de dimensões sociais e sua interação com o ambiente laboral, características e condições de trabalho. A avaliação psicossocial poderá ser aplicada para toda a organização que considera o fator humano e subjetivo como pontos centrais da estrutura de trabalho.

Ao perceber diversos traços no colaborador de forma contextualizada, a empresa se torna capaz de definir as estratégias de enfrentamento para garantir a manutenção da saúde mental, diminuindo, assim, o índice de adoecimento mental.

Quer saber mais? Fale conosco!